Pular para o conteúdo principal

RESENHA CRÍTICA

 
PÓS – GRADUAÇÃO LATU SENSU EM JORNALISMO, CIDADANIA E POLÍTICAS PÚBLICAS
MÍDIA, VIOLÊNCIA E SEGURANÇA PÚBLICA
PROFESSORA: ALDA COSTA
ALUNO: BRUNO FIGUEIREDO
TURMA: 3JCP






RESENHA CRÍTICA







BELÉM
2014
TIPO DE PERIÓDICO: REVISTA
TÍTULO: VIOLÊNCIA E MEIOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA
AUTOR: MARIA STELA GROSSI PORTO
ANO DE PUBLICAÇÃO: 2002                LOCAL: PORTO ALEGRE
ÁREA DE CONHECIMENTO: SOCIOLOGIA


1.      IDEIA CENTRAL DO PERIÓDICO:
A idéia central do periódico perpassa sobre a influência da violência nos meios de comunicação de massa na sociedade contemporânea.


2.      POSIÇÃO DA AUTORA:
A autora Maria Stela concorda com o conceito de violência proposto pelo filósofo francês Yves Michaud em que ele afirma que há várias formas de violência geradas por um ou mais atores agindo de forma direta ou indireta.


3.      DIÁLOGO COM AUTORES:
Maria Stela afirma que apesar da dificuldade conceitual da violência a definição proposta por Michaud possui a vantagem de atuar em diversas áreas tais como sociologia, psicologia, antropologia, política possibilitando assim analisar o fenômeno sob pontos concordantes ou conflitantes de cada área. Outra questão levantada no presente estudo é o impacto da exposição da violência nos meios de comunicação de massa e como diferente classes sociais e faixas etárias encaram a atuação da mídia acerca da violência.
            Autora levanta questionamentos também sobre as relações da sociedade, em particular a população do Distrito Federal mais especificamente do Plano Piloto e das Cidades Satélites, com a revolução técnico-científica.
4.      PROPOSTA DA AUTORA:
Uma das propostas da autora para compreender as reações da sociedade, no âmbito da globalização, sobre a violência presente na mídia de massa é observar e analisar esse fenômeno a partir do paradoxo homogeneização versus fragmentação, ou seja, unificação (ou tentativa) cultural e pulverização de anseios e desejos.
As mudanças tecnológicas, ao incidirem diretamente sobre o mundo trabalho, deslocando seu caráter e centralidade enquanto organizador de um ambiente sociocultural, transformam a natureza desse social e afetam igualmente o trabalho em suas dimensões simbólica, ideológica e valorativa. Enquanto valor, o trabalho era responsável, não tanto pela unidade social mas por sua representação como algo unificado. Atualmente, as transformações desse universo e o deslocamento dos valores neles centrados, evidenciam o surgimento de um social atomizado, fragmentado, carente de pontos fixos de referência. (PORTO, 2000) 

5.      DESTAQUE DE PONTOS IMPORTANTES[1]:
Um ponto importante observado no texto da Maria Stela é a explicação do recurso da violência como afirmação social ou mesmo mecanismo de defesa de grupos excluídos ou como a psicologia afirma invisíveis e esta relação possui aporte com atualidade as manifestações e as ações do grupo Black Blocs.
Outro ponto importante é a explicação da massiva utilização da violência na mídia, apesar de ser quase uma unanimidade no meio da comunicação social que a violência é um chamariz para a audiência, autora recorre à explicação de Michaud (1989, p. 49)
“O fato de a violência se apresentar como uma crise em relação ao estado normal cria, por princípio, uma afinidade entre ela e a mídia. Como podemos constatar, num dia calmamente banal fica difícil fazer um jornal ou um noticiário de TV para anunciar que não aconteceu nada (...). A violência, com a carga de ruptura que ela veicula, é por princípio um alimento privilegiado para a mídia, com vantagem para as violências espetaculares, sangrentas ou atrozes sobre as violências, comuns, banais e instaladas.



6.      CONSIDERAÇÕES PESSOAIS:
Ficou explícito no decorrer do texto da socióloga Maria Stela o valor-mercado da violência e como ela é transformada em produto no interior do capitalismo e mais, como a violência serve de recursos a diversas ideologias ou mesmo a diversos aparelhos ideológicos do estado como mesmo preconizou o filósofo francês Louis Althusser em sua obra Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado (1970) outra contribuição do pensamento de Maria Stela foi à reflexão sobre a variedade da violência e a desmistificação da “mídia satânica” em classes menos favorecidas economicamente.
Em ano eleitoral e de realização da copa do mundo em nosso país é obrigatório refletirmos e debatermos a violência suas causas, conseqüências e o seu uso no jogo político-midiático.









7.      REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:
PORTO, MARIA.  VIOLÊNCIA E MEIOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA. Sociologias, Porto Alegre. Jul/dez 2002. p. 152-171.

Althusser, Louis. IDEOLOGIA E APARELHOS IDEOLÓGICOS DO ESTADO. Biblioteca Universal Presença, 1970.





Postagens mais visitadas deste blog

CONTOS AMAZÔNICOS

Esse post é para quem curte contos, vou por um conto do livro O REBELDE E OUTROS CONTOS AMAZÔNICOS, de Inglês de Sousa publicado pela editora scipione com Ilustrações de Fernando Vilela e com Organização de Maria Viana. O livro contém os contos: O Rebelde, A Quadrilha de Jacó Patacho, O Donativo Do Capitão Silvestre e o Voluntário. Mas antes de colocar o trecho do livro é melhor ver o que o livro diz a respeito do autor.







Inglês de Sousa:

A publicação de Contos Amazônicos, em 1893, deu-se em tempos de agitação política e de efervescência intelectual. Nesse ano saíram Missal e Broquéis de Cruz e Sousa, títulos que inauguraram novo momento literário brasileiro, o Simbolismo.

Para o crítico Araripe Júnior, "a produção literária (...) foi relativamente abundante, pelo menos os jornais e as revistas andaram muito pejadas de pequenas publicações narrativas variando desde o grotesco até o épico".


José Veríssimo apresentou julgamento bem diferente sobre o movimento literário desse ano tã…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…