Pular para o conteúdo principal

Mulheres africanas, poligamia e a balada de amor ao vento

O "mundo" anda escandalizado com a pena de morte de uma iraniana acusada de adultério  ela levou 99 chibatadas devido a uma fotografia mas esse caso não chega a representar nem um 1% das agressões que as mulheres sofrem por preconceito de gênero.

Esse ano não fui a feira do livro do Pará e que tinha como tema  "África que fala portugues". Para afogar minha tristeza por não ter ido a XIV Feira Pan Amazônica do Livro. Procurei na web algo sobre literatura africana de língua portuguesa acabei por encontrar o site África e africanidades vasculhando achei um artigo de Pamela Maria do Rosário Mota, Graduanda em Letras – UFRJ e bolsista de iniciativa científica pela CNPq/PIBIC no Projeto: "Pelas trilha das poesias e da pintura: Angola, Cabo Verde e Moçambique"

Balada de Amor ao Vento é o primeiro romance da escritora Paulina Chiziane. O enredo reflete e discute sobre o regime patriarcal e a poligamia existentes em algumas “tribos” do país africano e sobre os aspectos culturais que regem as mulheres moçambicanas, cujo papel na sociedade é delimitado e impregnado de sofrimento, submissão e dor. Talvez por ter sido escrito por uma mulher, o livro possua um detalhamento especial dos elementos da natureza, dos aspectos religiosos e da estrutura política-social de Moçambique que são inseridos no universo feminino. (Mota, Pamela Maria do Rosário. Balada de amor ao vento: questionamentos sobre as tradições moçambicanas. Revista África e Africanidades - Ano 3 - n. 3, agosto, 2010.)
Fiquei curioso em ler o romance vou ver se encontro para postar aqui...

O amor como Jesus pregou anda em falta...

Bom o romance eu ainda não achei mas vou colocar aqui o artigo que faço referência.

Balada de Amor ao Vento

Postagens mais visitadas deste blog

CONTOS AMAZÔNICOS

Esse post é para quem curte contos, vou por um conto do livro O REBELDE E OUTROS CONTOS AMAZÔNICOS, de Inglês de Sousa publicado pela editora scipione com Ilustrações de Fernando Vilela e com Organização de Maria Viana. O livro contém os contos: O Rebelde, A Quadrilha de Jacó Patacho, O Donativo Do Capitão Silvestre e o Voluntário. Mas antes de colocar o trecho do livro é melhor ver o que o livro diz a respeito do autor.







Inglês de Sousa:

A publicação de Contos Amazônicos, em 1893, deu-se em tempos de agitação política e de efervescência intelectual. Nesse ano saíram Missal e Broquéis de Cruz e Sousa, títulos que inauguraram novo momento literário brasileiro, o Simbolismo.

Para o crítico Araripe Júnior, "a produção literária (...) foi relativamente abundante, pelo menos os jornais e as revistas andaram muito pejadas de pequenas publicações narrativas variando desde o grotesco até o épico".


José Veríssimo apresentou julgamento bem diferente sobre o movimento literário desse ano tã…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…