Pular para o conteúdo principal

Artigo 5º e o Jornalismo


TÍTULO II
Dos Direitos e Garantias Fundamentais
CAPÍTULO I
DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes.
O artigo 5º da constituição federal de 1988 enumera em seus 78 incisos os direitos e deveres individuais e coletivos que a sociedade brasileira deve seguir. Mas para entrar na questão de direitos e deveres tem de se ter noção do que vem a ser uma constituição, para o dicionário Aurélio constituição é:
“1.       Ato de constituir, de estabelecer, de firmar.
 2.        Modo pelo qual se constitui uma coisa, um ser vivo, um grupo de pessoas; organização, formação.
 3.        Lei fundamental e suprema dum Estado, que contém normas respeitantes à formação dos poderes públicos, forma de governo, distribuição de competências, direitos e deveres dos cidadãos, etc.; carta constitucional, carta magna.
 4.        Conjunto de normas reguladoras de uma instituição, corporação, etc. estatuto.”
Dicionário Aurélio Eletrônico, 1999
Nessa definição o que importa para o presente estudo são os itens 3 e 4, principalmente o 3. Como lei fundamental é de sorte que venha direcionar o rumo que devemos seguir nela incluídos nossos direitos fundamentais e que estão presentes logo no caput quando o legislador determina cinco direitos fundamentais que são: direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade. Todos outros direitos são derivados deles. Sem os direitos fundamentais a desordem e o desrespeito teriam fundamentos para invadir nossas vidas.
Em relação ao jornalismo é interessante levar em conta os incisos:
IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
Esse inciso tem relação em dar oportunidade e espaço para os “lados” envolvidos, por exemplo, em corrupção. Outro artigo interessante é o V que prega o seguinte: “é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;
Esse inciso é comumente desrespeitado ainda mais nos cadernos de polícia, e quando ele é cumprido a reputação da vítima já sofreu um desgaste considerável. O inciso IX também se relaciona com jornalismo quando ele fala que “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, cientifica e de comunicação, independentemente de censura ou licença; esse inciso vem sofrendo duras baixas em nosso estado vide o caso recente do jornalista Lúcio Flávio Pinto que está mutilado de sua função por ter dito verdades, inconvenientes sim, mais ainda sim verdades.
O inciso X possui relação com inciso V nele é abordada a questão da inviolabilidade à intimidade, a vida privada, a honra e a imagem, assegurado o direito de indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.
O inciso XI tem haver com o exercício do jornalismo quando ele diz que é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício da profissão.
O inciso LVII aparentemente não possui alguma relação com o jornalismo mas basta atentar para o fato que em determinadas matérias o acusado é caracterizado como culpado na narrativa jornalística caracterizando claramente desvio de função.


Postagens mais visitadas deste blog

CONTOS AMAZÔNICOS

Esse post é para quem curte contos, vou por um conto do livro O REBELDE E OUTROS CONTOS AMAZÔNICOS, de Inglês de Sousa publicado pela editora scipione com Ilustrações de Fernando Vilela e com Organização de Maria Viana. O livro contém os contos: O Rebelde, A Quadrilha de Jacó Patacho, O Donativo Do Capitão Silvestre e o Voluntário. Mas antes de colocar o trecho do livro é melhor ver o que o livro diz a respeito do autor.







Inglês de Sousa:

A publicação de Contos Amazônicos, em 1893, deu-se em tempos de agitação política e de efervescência intelectual. Nesse ano saíram Missal e Broquéis de Cruz e Sousa, títulos que inauguraram novo momento literário brasileiro, o Simbolismo.

Para o crítico Araripe Júnior, "a produção literária (...) foi relativamente abundante, pelo menos os jornais e as revistas andaram muito pejadas de pequenas publicações narrativas variando desde o grotesco até o épico".


José Veríssimo apresentou julgamento bem diferente sobre o movimento literário desse ano tã…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…