Pular para o conteúdo principal

DIVINA DESORGANIZAÇÃO

DRAMA, FÉ E CARNAVAL NAS RUAS DA CIDADE VELHA

Por Marcos Lima


Aconteceu na sexta-feira da semana passada o “Auto do Círio”, uma festa que há treze anos reúne nas ruas do bairro da Cidade Velha em Belém pessoas de todas as classes cantando e dançando em homenagem a Virgem de Nazaré de uma maneira muito diferente. Como projeto de extensão, o auto acontece para consolidar suas ações artísticas e sociais para comunidade durante o ano com a realização do evento na antevéspera do círio com participação acadêmica e da comunidade de forma ativa. Durante a concentração na Praça do Carmo, a única coisa que se via eram pessoas fantasiadas ensaiando suas coreografias, dando estímulos para o público que esperava ansiosamente pelo inicio do espetáculo. Por falar em começar o espetáculo que estava programado para começar as 19:00h, começou uma hora depois, devido problemas no áudio, porém isso não tirou o brilho do espetáculo nem desanimou que esperava pra ver o cortejo.Ainda na concentração o evento iniciou com apresentação musical de Daniel Araújo catando “Saudação a Virgem”, e partiu da praça pela Travessa Dom Bosco e depois pela rua Dr. Assis, chegando à igreja da Sé onde o cortejo fora recebido por uma salva de fogos que iluminou o céu.


FANTASIA E ENCENAÇÕES NA CONCENTRAÇÃO MOSTRAVA

UM POUCO O QUE SERIA O ESPETÁCULO


Em frente à igreja da Sé, durante a primeira parada, houve apresentações musicais com a cantora convidada Iza Felipe e declamações poéticas em homenagem a data. Durante esta etapa já tinham pessoas que mostravam seu entusiasmo com o evento. “É primeira vez que venho a Belém, e o espetáculo está fantástico”, relatou o turista José de Almeida, de Belo Horizonte (MG) que passa férias com a esposa e sua filha de 12 anos.Assim o cortejo prosseguiu e se deslocou para a o palco montado em frente à igreja de Santo Alexandre, onde artistas apresentaram a encenação bem humorada “Diz que foi no Círio” e mais apresentações de música. Enquanto o cortejo se preparava para a próxima etapa no Solar do Barão do Guajará, no local o próximo grupo já se aquecia junto com o público. O cortejo chega a ritmo de brega, embalado pela vocalista da banda “Tecno Show” Gabi Amarantos cantando ”A batida da Amazônia”, animando ainda mais o que cantava junto. “Já vim a três cortejos, mas este sem duvida é o melhor”, contou a recepcionista Ana Costa de 23 anos. No local o cortejo foi recebido pelo grupo de cantores contemporâneos e pelo grupo “Batuque” e apresentações acrobáticas.O cortejo chega a sua última etapa finalizando a caminhada em frente à Alameda dos Palácios com apresentação do grupo Notáveis Clows, grupo coreográfico da UFPA, fazendo a recepção da imagem da Virgem. O encerramento ainda contou com a participação especial de Dominguinhos de Estácio e da escola de samba ONG Tradição Guamaense, deixando o resto do espetáculo por conta do público.


CELEBRAÇÃO:O Auto do círio este ano celebra os 50 anos da Universidade Feral do Pará (UFPA), que além da consagração popular, o espetáculo marca a singularidade das atividades extensionista da academia. Este ano pela primeira vez o cortejo foi realizado no dia de Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil. Celebrando a data o espetáculo festeja a matriz africana e afro-brasileira em um cortejo que homenageia a padroeira dos paraenses que reuniu cerca de 500 artistas e um publico de 10 mil pessoas em uma comunhão entre a comunidade e artistas acadêmicos nas ruas do complexo histórico de Belém.


O PROFANO E O RELIGIOSO:Durante o Auto do Círio, marcaram presença pessoas de todas as classes e todas as doutrinas possíveis da região. Isto ocorreu devido o espetáculo fazer uma mistura entre o considerado profano e o religioso, com apresentações que fazem referência a personagens do nosso folclore e a entidades do hubandismo, religião de origem africana, e evidentemente como o nome do evento propôs , tem como principal fundamento homenagear a Virgem de Nazaré.Outra mistura que ocorre além da social e de credos, são as de estilos, isto é, diferentes tribos urbanas, tribos de jovens, que se reuniram em busca de diversão e também para prestigiar o cortejo. No evento podia se encontrar roqueiros, reagueiros, pagodeiros e bregueiros. Em todos os lugares haviam brincantes dos mais variados gêneros, apreciando as apresentações. “Eu gosto de rock, mas até agora o que mais me animou foi à vocalista do Tecno Show agitando o público”, disse o estudante Anderson Silva de 19 anos se referindo à participação da cantora Gabi Amarantos (Tecno Show). Assim se seguiu o cortejo que entrou pela noite enchendo de alegria as ruas do Complexo Histórico de Belém.


DIVINA DESORGANIZAÇÃO NA CIDADE NOVA


Por Bruno Figueiredo


Dentre as 11 romarias que fazem parte do Círio de Nazaré sem dúvida, a romaria que leva santa as igrejas do Amparo de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e na Paróquia de Santa Rita de Cássia é o momento mais aguardado pelos moradores dos conjuntos da Cidade Nova onde todos os anos são realizadas inúmeras peregrinações, missas e novenas em que devotos de Nossa Senhora de Nazaré, como a católica Raimunda Luiza, se organizam para realizar encontros entre famílias.Entretanto nem todos católicos gostam do Círio um exemplo é a católica Maria Odete, 51, segundo ela não há solidariedade no Círio, as pessoas o vão por motivos pessoais, ou seja, não há uma preocupação coletiva e isto acaba se tornando uma idolatria, ainda para Odete muitos católicos esquecem que a imagem não possui vida e a tratam como se ela fosse melhor que Jesus Cristo, já para a Católica Irene Salles, 39, o Círio é um momento muito especial, “fico na frente de casa todo o ano esperando a Virgem Santa passar, tenho consciência que a imagem apenas a representa e que a verdadeira está no céu junto com Deus”.


DESORDEM:Apesar de manifestações de fé em Ananindeua, a passagem da Virgem Santa foi marcada por muita desorganização por parte da Guarda da Santa, ao não acompanharem a santa quando esta chegou à Paróquia de Santa Rita de Cássia houve também tumultos, e a “lei seca” foi visualmente desrespeitada.


http://jornal3jnl11.wordpress.com/

Postagens mais visitadas deste blog

CONTOS AMAZÔNICOS

Esse post é para quem curte contos, vou por um conto do livro O REBELDE E OUTROS CONTOS AMAZÔNICOS, de Inglês de Sousa publicado pela editora scipione com Ilustrações de Fernando Vilela e com Organização de Maria Viana. O livro contém os contos: O Rebelde, A Quadrilha de Jacó Patacho, O Donativo Do Capitão Silvestre e o Voluntário. Mas antes de colocar o trecho do livro é melhor ver o que o livro diz a respeito do autor.







Inglês de Sousa:

A publicação de Contos Amazônicos, em 1893, deu-se em tempos de agitação política e de efervescência intelectual. Nesse ano saíram Missal e Broquéis de Cruz e Sousa, títulos que inauguraram novo momento literário brasileiro, o Simbolismo.

Para o crítico Araripe Júnior, "a produção literária (...) foi relativamente abundante, pelo menos os jornais e as revistas andaram muito pejadas de pequenas publicações narrativas variando desde o grotesco até o épico".


José Veríssimo apresentou julgamento bem diferente sobre o movimento literário desse ano tã…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…